Muito estudo, dedicação, perseverança e ensino público de qualidade marcam trajetória estudantil de ex-aluna do DCC/UFMG

Professores qualificados e incentivadores durante a graduação no DCC motivam aprendizado e dedicação de alunos para alcançarem o sucesso acadêmico e profissional

Estudante de escola pública desde sempre, Carina Capelão de Oliveira, 25, formou-se em Técnica em Informática pelo Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais (CEFET-MG), em 2013, e em Sistemas de Informação no Departamento de Ciência da Computação na Universidade Federal de Minas Gerais (DCC/UFMG), em 2018. Atualmente, engenheira de software na Google Belo Horizonte, Carina desenvolve infraestrutura e ferramentas para combater conteúdos abusivos nos produtos da empresa. Muito determinada, desde que iniciou no DCC participou de projetos de iniciação científica, a princípio com o professor Mário Alvim e, posteriormente, como o professor Fernando Magno, no Laboratório de Compiladores.

Durante o período em que ficou no Laboratório, Carina publicou dois artigos, sendo um deles premiado na CBSoft tools, em Fortaleza, como o melhor artigo. Única mulher durante o evento, a ex-estudante conta que sentiu-se um pouco deslocada ao chegar, mas logo percebeu que se era para ser “destaque”, por ser diferente da maioria, seria então um destaque positivo. “Quando cheguei na conferência fiquei um pouco assustada, era um ambiente totalmente masculino, todos mais velhos que eu, alunos de mestrado e doutorado, além de representantes de grandes empresas. Fui a única mulher a apresentar um trabalho na Trilha de Ferramentas do CBSoft 2017, ainda uma menina e aluna da graduação, me tornei uma espécie de destaque. Ali percebi que não deveria me acuar, mas, sim, mostrar do que era capaz e o quão forte sou. Apresentei o meu artigo e ele foi premiado como o melhor entre todos, o que me motivou ainda mais a ser verdadeiramente um destaque”, contou.

A pesquisa tornou-se um prazer para a ex-aluna, que ganhou duas vezes o prêmio de relevância acadêmica, apresentando os trabalhos durante a Semana de Iniciação Científica. No período em que esteve no Laboratório de Compiladores, Carina conheceu muitos profissionais e estudantes de áreas diferentes e, segundo ela, muito inteligentes e que agregaram ao seu conhecimento acadêmico. “Logo que entrei no Laboratório o professor Fernando recomendou que fizéssemos a temida matéria DCC888 – Análise e Otimização de Código. Os dois melhores alunos seriam indicados por ele a participar de um processo seletivo de estágio na Microsoft. Acho que foi a matéria mais difícil que fiz, mas foi muito motivadora e útil para o meu projeto. Estudei muito, junto com outros colegas, e tirei a melhor nota do curso,” comemorou.

Em todos os cursos do Departamento a necessidade de que os alunos estejam familiarizados com a língua inglesa é de suma importância, já que a literatura disponível e, inclusive, termos técnicos, são utilizados universalmente em inglês. Segundo Carina, foi durante o curso o maior contato que teve com o idioma, o que proporcionou que portas profissionais fossem abertas, mesmo antes de se formar. “Tanto o professor Mário quanto o Fernando nos indicavam vários textos e livros em inglês. O professor Fernando era ainda mais exigente. Além da literatura, a nossa comunicação em sala de aula ou por e-mail sempre era em inglês, o que agradeço demais. Aprendi muito com o professor e isso foi fundamental para que eu conseguisse o trabalho que estou hoje”, disse.

Para Carina, trabalhar em uma grande empresa como a Google era algo inimaginável, mas, desde que entrou no Laboratório de Compiladores o sonho começou a ganhar forma   Em uma primeira tentativa, Carina não foi aprovada para o estágio na Microsoft, mas não desistiu. Segundo a ex-aluna, a experiência de estudo junto aos colegas para participar de entrevistas foi fundamental. “Tive uma primeira experiência, o que foi ótimo. Após isto, estudei ainda mais, sempre junto aos colegas mais experientes e que me ajudaram muito. Com esse esforço e dedicação, consegui estágios na Microsoft Seattle e na Google BH”, falou.

A área de exatas é um ambiente muito masculino e que impõe dificuldades para as mulheres, inclusive posturas inadequadas que desincentivam as alunas a continuarem os estudos. Mas, segundo Carina, isto não pode trazer desânimo. “Durante o meu curso técnico éramos pouquíssimas alunas na turma e, infelizmente, cheguei a ouvir de alguns professores que aquele não era o meu lugar. Na graduação também éramos poucas, mas isto não me desanimou e nós sempre nos apoiamos. Não podemos desistir dos nossos sonhos, não deixe que ninguém fale que não é capaz, que não é ambiente para você. Busque apoio, porque esses desafios trazem oportunidade para realmente nos tornarmos destaques positivos. No DCC, por exemplo, existem grupos de apoio e divulgação dos cursos da área de exatas para as mulheres, em especial à Computação e Tecnologia da Informação, justamente para mostrar o quão somos capazes e fortes para sermos o que quisermos, independente da área. O Meninas Digitais, ligado à Sociedade Brasileira de Computação (SBC) e o Bitgirls, do Departamento, nos ajudam muito. Posso dizer que tive dificuldades, mas também muito apoio durante a graduação. Sou muito grata a todos, professores e colegas, não estaria onde estou se não fossem eles”, ressaltou.

Ainda de acordo com a ex-estudante o DCC/UFMG, proporciona um leque gigantesco de diferentes oportunidades aos estudantes. “A qualidade do ensino é excelente, podemos experimentar, os conteúdos são pesados e exigem muita persistência e dedicação. Dentro do DCC aprendi a desenvolver o raciocínio lógico, a ter responsabilidade, a ser curiosa, a ser independente, amadureci pessoalmente e profissionalmente. A excelência e dos profissionais que estão conosco no dia a dia foram cruciais para que eu chegasse onde estou hoje,’ comentou.

Já para o professor Fernando, a ex-estudante é realmente um destaque positivo. “Sempre muito estudiosa, dedicada e perseverante, Carina nos trouxe e nos traz muito orgulho. Sempre se destacou academicamente e conquistou seu espaço por mérito. Foi um prazer e uma honra fazer parte da sua formação acadêmica e ter contribuído de alguma forma para o seu sucesso profissional,” destacou.

Saiba mais sobre a Carina no link https://www.linkedin.com/in/carinacapelao/

Veja a série completa