Cientista do DCC/UFMG é selecionado pelo Instituto Serrapilheira para desenvolver estudo inovador

Em meio a 505 candidatos, professor do DCC é escolhido e receberá até R$ 700 mil para investir pelos próximos três anos em projeto de pesquisa

Foi anunciado pelo Instituto Serrapilheira a seleção do projeto do professor Jefersson Alex dos Santos, do Departamento de Ciência da Computação da Universidade Federal de Minas Gerais (DCC/UFMG) e coordenador do Laboratório PATREO. A pesquisa concorreu com 505 outras candidatas e foi, com mais 11, escolhida no processo seletivo da 4ª chamada pública de apoio à ciência do Instituto. Foram escolhidos projetos inéditos e inovadores com questionamentos que colaboram para a compreensão essencial em ciências naturais, ciência da computação e matemática. O estudo receberá o investimento de até R$ 700 mil nos próximos três anos.

A seleção foi composta por três etapas, sendo a final uma entrevista realizada por pesquisadores internacionais. De acordo com Cristina Caldas, diretora de Ciência do Serrapilheira, os escolhidos também receberão um “bônus da diversidade”, que são recursos adicionais para aplicarem na formação e inclusão de pessoas de grupos sub-representados em suas equipes. “Formar cientistas custa caro e leva tempo. Precisamos garantir que os talentos já formados, cuja excelência ficou evidente na seleção, tenham acesso contínuo a recursos, e que os setores público e privado pensem juntos em como oferecer melhores condições para se fazer ciência no Brasil”, afirmou.

Jefersson irá investigar como fazer mapeamentos geográficos em larga escala, por meio de aprendizagem supervisionada, a partir de poucos pixels anotados. De acordo com o professor, o estudo tem o objetivo de desenvolver novas abordagens computacionais que preencham algumas lacunas que existem entre a literatura recente na área e o que aplicações do mundo real realmente necessitam. Dentre as aplicações, destacam-se três: detecção de estradas rurais na Amazônia e cerrado; mapeamento de áreas urbanas com potencial de infestação de Dengue, além do reconhecimento de espécies nativas e indicadores de mudanças climáticas.

Para isso, o projeto conta tanto com pesquisadores em Ciência da Computação quanto com parceiros renomados em outras áreas do conhecimento, como os professores da UFMG Raoni Rajão, da Escola de Engenharia, Francisco Chiaravalloti da Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo (FSP/USP) e José Marcato da Universidade Federal do Mato Grosso do Sul (UFMS), além dos professores do DCC Fabrício Murai, Heitor Ramos e Renato Assunção e os egressos do DCC Hugo Oliveira (IME-USP) e Keiller Nogueira (University of Stirling).