Professor do DCC toma posse como novo titular da Cátedra Oscar Sala do Instituto de Estudos Avançados da USP

Tomou posse nesta segunda-feira, 25, como novo titular da Cátedra Oscar Sala do Instituto de Estudos Avançados (IEA) da Universidade de São Paulo (USP), o professor do Departamento de Ciência da Computação da Universidade Federal de Minas Gerais (DCC/UFMG), Virgilio Augusto Fernandes Almeida. Com titularidade até março de 2023, Virgílio substituirá a professora e semióloga Lúcia Santaella e trabalhará no projeto Interações Humano-Algoritmo. O evento foi transmitido ao vivo pela internet e presidido pelo coordenador acadêmico da Cátedra Oscar Sala, Eugênio Bucci.

A Cátedra Oscar Sala é uma iniciativa do IEA em parceria com o Comitê Gestor da Internet no Brasil (CGI.br) e o Núcleo de Informação e Coordenação do Ponto BR (NIC.br) e visa fomentar, orientar e patrocinar o intercâmbio multidisciplinar entre os saberes de áreas diversas para fortalecer e cultivar o conhecimento sobre a internet, seu funcionamento, suas aplicações e suas ferramentas.

Para Virgílio, a compreensão dos impactos sociais, políticos e econômicos dos algoritmos, sejam eles positivos ou negativos, é um desafio de pesquisa e um tema de relevância para a construção de mecanismos de governança e políticas públicas. “Além do desafio que o tema representa, a diversidade dos tipos de algoritmos em operação, com impacto cada vez maior na sociedade e nas atividades diárias dos cidadãos, e o fato de sua complexidade e dos sistemas integrados por eles estar aumentando rapidamente, com novos modelos e gigantescas massas de dados tornando esses algoritmos e sistemas opacos, dificultando sobremaneira a compreensão de seu comportamento, são extremamente motivadores para o trabalho”, afirmou.

De acordo com o professor, os algoritmos e robôs têm sido usados de muitas maneiras socialmente benéficas. “Exemplos disso são o uso para antecipar necessidades de saúde, auxiliar o gerenciamento do tráfego em centros urbanos, otimizar o aporte de recursos escassos, facilitar decisões financeiras e aumentar a eficiência de serviços governamentais”, explicou. Ao mesmo tempo, Virgílio ressalta que os algoritmos projetados para filtrar, selecionar e exibir a grande quantidade de informações disponíveis on-line, combinados com a tendência das pessoas de buscar ambientes sociais similares, podem induzir vieses e grupos da sociedade, alimentando racismo, preconceitos e discriminação.

Conforme Virgílio, o caminho para que a sociedade tenha controle e governança sobre algoritmos e máquinas inteligentes, por meio do estabelecimento de normas e regramentos, passa pelo estudo e entendimento de seu comportamento na interação diária com os seres humanos, afirmou o pesquisador.

Direitos das fotos: Leonor Calasans/IEA-USP

Acesso rápido