Projetos dos professores Jussara Marques e Marcos André Gonçalves foram selecionados pelo Google Research Awards

Jornal O Tempo por LITZA MATTOS, publicado em 24/09/2015

Dois pesquisadores mineiros serão financiados pelo Google 

Casal que orienta doutorandos foi selecionado em dois estudos diferentes

Se existe um mercado que não para de crescer mesmo em tempos de crise econômica, é o de tecnologia. Os maiores responsáveis por todo esse impulso, sem dúvida, são projetos que não param de emergir de dentro das universidades mundo afora. No Brasil, não é diferente. Tanto é que o Google expandiu seu projeto de financiamento de pesquisas e divulgou nesta sexta a seleção dos vencedores da primeira edição do Google Research Awards na América Latina. Dos 12 contemplados com a bolsa de estudos, oito são do Brasil, dois do México, um da Colômbia e um do Chile.

A expressiva presença brasileiros não surpreendeu o diretor de engenharia do Google para a América Latina, Berthier Ribeiro-Neto, que da sede da empresa em Belo Horizonte comandou o painel de escolha dos selecionados.

“Estávamos procurando projetos concebidos dentro das universidades, mas com potencial de afetar as pessoas da rua, a sociedade. E o povo brasileiro tem feito um esforço de dar suporte a pesquisas de alto nível de forma sistemática. Todo ano, mesmo passando por tempos difíceis, houve aporte de recursos para a atividade de pesquisa no Brasil”, reconhece.

Entre os mais de 450 inscritos, um casal de Belo Horizonte conseguiu se destacar. Os professores associados do Departamento de Ciência da Computação da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) Jussara Marques e Marcos André Gonçalves foram selecionados com suas respectivas pesquisas. Ela, orientando o aluno de doutorado Fabiano Muniz Belém, e ele, com o aluno Clebson Sá.

No projeto de Jussara, a ideia é elaborar um novo serviço de recomendação de tags (palavras-chave) que forneçam sugestões relevantes, eficazes e mais úteis do que as usadas atualmente em sites de busca, redes sociais e bancos de dados.

“Ao recomendarmos uma tag, estamos melhorando vários serviços, afetando os usuários e toda a comunidade. Ainda estamos desenvolvendo métodos que possam vir a ser implementados sob forma de ferramentas no futuro”, diz.

No caso de Gonçalves, o projeto propõe cruzar as áreas de recuperação de informação com a de ranqueamento para, por exemplo, melhorar os resultados de busca. “Com o aumento do volume de informação, é cada vez mais importante criar soluções que permitam separar o bom do ruim e focar a informação mais importante”. Ao todo, o Google Research Awards está dando US$ 1 milhão em bolsas de mestrado e doutorado. O valor será concedido mensalmente a professores e alunos pelo período de um ano com a possibilidade de renovação.

Google Research Awards: vencedores
Conheça os projetos selecionados no Brasil:

Jussara Almeida e Fabiano Belém (UFMG): “Além da relevância: abordando novidade, diversidade e personalização na recomendação de tags”

Marcos André Gonçalves e Clebson Sá (UFMG): “Impul- sionando estimadores ‘fora- da-sacola’ para aprender a ranquear”

Anna Helena Costa (USP): “Melhorando a aprendiza- gem por meio da transferên- cia de conhecimento”

Altigran da Silva (Ufam): “Uma abordagem de aprendizagem ativa para combinar esquemas de redes”

Diego de Freitas (Unicamp): “Aprendizado de máquina sobre dados cifrados utilizando criptografia”

Diego Amancio (USP): “Desambiguação de sentido de palavras via análise topológica e dinâmica de redes complexas”

Gustavo de Almeida (USP): “Controlando o mosquito da dengue com sensores inteligentes e armadilhas”

Sandra Aluísio (USP): “ANAA-Dementia: Aplicação de testes neuropsicológicos”

Apesar da crise, país está na rota da empresa

Durante a seleção dos projetos voltados para as pesquisas de ponta em áreas relacionadas à ciência da computação, o Google levou em conta três critérios principais: qualidade geral da proposta, potencial impacto da pesquisa e alinhamento com as estratégias da empresa. Com isso, foi possível diversificar a gama de ideias contempladas, conforme explica Berthier Ribeiro-Neto.

“Vamos financiar desde projetos que exploram a criação de um dispositivo que consiga atrair e extinguir o mosquito da dengue passando por outro que visa possibilitar a uma pessoa de idade mais avançada detectar os sinais preliminares de uma doença neurológica, como Alzheimer, até um projeto cuja proposta é a coordenação de carros, sem motorista e sem semáforo. São projetos voltados para problemas que afligem as pessoas”, destaca.

O diretor de engenharia do Google para a América Latina reconheceu que a empresa tem sido afetada pela crise que o país vem passando, mas ele garante que o Brasil “é uma estrela de primeira grandeza no universo Google”. “Temos todo interesse de investir no país”, disse.