Software identifica ações humanas e pode ser utilizado em smart homes

qui, 25/06/2020 - 09:30
Português, Brasil
O laboratório SmartSense desenvolveu e submeteu patente para sistema de reconhecimento de atividades humanas em filmagens e sensores

Novos sistemas e tecnologias transformam o nosso entorno e como interagimos com o ambiente. Nos últimos anos, as smart homes, também conhecidas como casas conectadas, começaram a despontar e a virar tendência. São casas equipadas com sensores e mecanismos automáticos, para simplificar e tornar mais segura a nossa rotina.

Nesse contexto, pesquisadores do Departamento de Ciência da Computação (DCC) da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) desenvolveram, em parceria com a Samsung, um software que identifica ações humanas em filmagens e por meio de sensores. São atividades como andar, correr, sentar, beber, comer ou escovar os dentes.

“Este software tem o objetivo de reconhecer essas ações para que seja possível traçar um perfil da pessoa de modo a auxiliá-la em sua rotina. Como indicar a necessidade de beber mais água ou mesmo a necessidade de fazer mais exercícios físicos”, explica William Robson Schwartz, professor do DCC.

Smart homes

As smart homes têm em seu espaço dispositivos inteligentes, como fechaduras, câmeras de segurança e até mesmo lâmpadas. Os dispositivos são conectados à Internet e podem ser controlados à distância pelo celular.

Schwartz explica que sensores enviam dados para uma unidade de processamento que permite que ações sejam tomadas de acordo com objetivos pré-programados. “Por exemplo, a presença de uma pessoa em um ambiente poderia ligar as luzes ou mesmo ajustar a temperatura, de acordo com a identidade da pessoa. Ou seja, os sensores identificam o indivíduo que possui um perfil associado contendo informações como a intensidade da iluminação ou a temperatura predileta para cada ambiente”, exemplifica. A casa pode “aprender” as preferências de cada pessoa que frequente a casa, ao longo do tempo.

Desenvolvimento do projeto

O sistema foi desenvolvido no Smart Sense Lab, vinculado ao DCC, entre 2016 e 2018, dentro de um projeto da Samsung, empresa sul coreana de tecnologia. O laboratório da UFMG trabalha em tópicos relacionados ao software desde 2013. Um dos grandes focos de pesquisa é o monitoramento de pessoas e de suas atividades.

O projeto envolveu professores e diversos alunos de iniciação científica, mestrado e doutorado. Além do depósito de duas patentes, gerou dissertações de mestrado, trabalhos de conclusão de curso e publicações em conferências e periódicos científicos.